É difícil imaginar, por exemplo, uma criança da década de 70 que não sonhava em ter uma Caloi; até propagandas da marca se tornaram símbolos culturais de suas respectivas gerações. Em uma época onde não havia tanta concorrência no mercado, Caloi e Monark eram responsáveis por praticamente cem por cento do mercado de bicicletas no país. Em cada década, cada lançamento fazia a cabeça de jovens e crianças. Os modelos são inesquecíveis; a Caloi 10, a Barraforte, a Ceci, a Berlineta, a Cross Extra Light…

A marca realmente virou um sinônimo da bicicleta no país e um marco da fabricação de bicicletas. Fundada pelo imigrante italiano Luigi Caloi, em 1898, inicialmente se chamava Casa Luiz Caloi e começou importando bicicletas europeias e produzindo apenas acessórios. Vinte e seis anos depois, virou Casa Irmãos Caloi, que era formada pelos filhos de Luigi, que havia falecido naquele ano. A sociedade não durou muito tempo, e apenas um dos herdeiros, Guido Caloi, se manteve na empresa. Mas a Segunda Guerra Mundial trouxe dificuldade às importações, e a empresa decidiu começar a fabricar as bicicletas localmente, no bairro do Brooklin. Em 1945, a Caloi inaugurou a primeira fábrica de bicicletas do país.

Caloi 10 1972 | Divulgação Caloi

Entrevista da Revista Bicicleta com Cyro Gazola

Solicitamos uma entrevista a Cyro Gazola, que recentemente assumiu a presidência da Caloi no Brasil. Veja o resultado do bate-papo:

Qual é o peso da responsabilidadee assumir o comando de uma empresa histórica como a Caloi?

Para mim é uma honra e grande alegria estar há mais de dois anos à frente de uma empresa com grande história e representatividade na vida dos brasileiros e influência sobre o ciclismo nacional.

A Caloi está em sua 3a fase de gestão, após 100 anos de liderança familiar, com mais de uma década de gestão profissional, e agora em novo momento como divisão de uma multinacional (Dorel Corp), mas mantendo sua autonomia e foco no mercado e consumidores locais.

Quais desafios o nome Caloi impõe tanto ao mercado quanto à gestão após 120 anos de história?

Após 120 anos, temos que garantir que a Caloi continue se transformando e se reinventando, a fim de prosperar nos próximos anos. Fizemos um trabalho abrangente de revisão estratégica durante 2017, definindo uma nova ambição estratégica, visão, missão e escolhas de negócios para nortear os próximos 5 a 10 anos.

Estamos focados em importantes pilares, como investir em produtos e serviços baseados na tecnologia; no resgate da marca Caloi e desenvolvimento das marcas Cannondale, GT e Schwinn; em garantir que tenhamos os produtos certos na hora certa para nossos clientes e consumidores; na busca contínua de eficiência e competitividade; e em continuar sendo uma empresa vibrante que engaja pela paixão e propósito.

Casa Luiz Caloi | Divulgação Caloi

Como lidar com as mudanças de mercado, o aumento da excelência interna e a concorrência internacional?

Temos que garantir que continuemos a liderar o mercado de bicicletas, baseado em produtos com tecnologia, qualidade e foco nas necessidades de nossos consumidores, nossos ciclistas. Para isso, temos nossa própria estrutura de pesquisa e desenvolvimento (P&D) no Brasil, porém conectados também com nossos times globais de P&D nos EUA, Europa e Ásia, a fim de conseguirmos trazer as últimas palavras em termos de soluções de produto para atender o mercado local, seja no MTB, na mobilidade urbana ou no esporte e lazer.

Quanto a concorrência, seja local ou internacional, ela faz bem para o mercado e exige que você sempre busque se superar com melhores produtos, eficiência de custos e agilidade na resposta e atenção às necessidades de seus clientes e consumidores.

O que é prioridade na gestão da Caloi, atualmente?

Nossas prioridades estão 100% alinhadas com a nova visão, missão e pilares estratégicos que adotamos deste 2017, onde nosso foco é:

a. Contínua busca de inovação de produtos, mas também de serviços onde possamos atuar;

b. Resgate e investimento na marca Caloi, e desenvolvimento da Cannondale, GT e Schwinn;

c. Garantir os produtos certos na hora certa;

d. Busca contínua por eficiência e competividade em tudo que fazemos;

e. Continuar sendo uma empresa que engaja pela paixão e propósito.

Você tem alguém como modelo administrativo que lhe inspire?

Tive a oportunidade de morar a trabalho durante quatro anos em Cingapura, Ásia, e aprendi muito vendo o modelo de um país liderado como uma empresa altamente eficiente, que preza por ter e desenvolver os melhores talentos, com altíssimo foco na educação e tecnologias de ponta, em atração de capital e parcerias globais para continuar se desenvolvendo, e na busca na eficiência de gestão e competitividade de seu mercado e competências de trabalho.

Para onde você direciona seus esforços ao liderar a Caloi?

Direciono meus esforços em principalmente três frentes:

a. Manter nossa organização Caloi focada na nova estratégia, garantindo excelência em tudo que fazemos e executamos na vista dos clientes e consumidores, e com foco também no desenvolvimento e retenção de talentos que liderem esta nova fase da companhia no Brasil;

b. Garantir gestão efetiva de negócios e colaboração junto a Dorel Sports (divisão controladora) e Dorel Corp, a fim de atender aos acionistas e atrair capital e investimentos para o Brasil;

c. Liderar o segmento de bicicletas junto com a nossa associação Abraciclo, representando os interesses do setor, e mantendo proatividade e colaboração plena com nossas companhias associadas.

O que você pensa sobre o futuro da mobilidade urbana no Brasil? E quais são os projetos de bicicletas da Caloi para impactar o volume cada dia maior de novos usuários urbanos?

A mobilidade urbana será cada vez mais um pilar crescente na sociedade, e para o qual estamos investindo para trazer produtos com tecnologia e qualidade, sejam bicicletas convencionais, mas também elétricas, onde fomos os primeiros a investir na tecnologia de motores centrais em parceria com a Shimano, e onde planejamos continuar expandindo no Brasil. Também planejamos ser uma alternativa de produção de OEM para companhias de mobilidade urbana, aproveitando a infraestrutura e capacidade industrial que acumulamos nas últimas décadas.

A Caloi, como as grandes empresas brasileiras, enfrentou reveses nas últimas décadas. O que você diria que foi o fator determinante para o reerguimento da empresa?

O que permitiu a Caloi dar a volta por cima nas últimas duas décadas foi uma gestão profissional efetiva, fazendo escolhas de negócios (segmentos onde entrar/investir e onde não investir), além de ter mantido o foco da organização na busca de eficiências e parcerias com fornecedores locais e internacionais, que permitiram trazer novas tecnologias de produto ao Brasil.

No cenário econômico atual do Brasil, qual dica você daria para quem está pensando em abrir uma loja de bicicletas, mas está receoso?

O empreendedorismo é importante, mas deve ser feito buscando avaliar algumas premissas fundamentais antes de se abrir uma loja de bicicletas. Eu recomendaria principalmente:

a. Busque um local que seja atrativo para o fluxo de ciclistas, a fim de gerar tráfego constante na sua loja;

b. Tenha um plano de negócios que incorpore projeção de vendas, de custos, de rentabilidade projetada, incluindo a demanda por bikes durante o ano;

c. Monte um time de trabalho que esteja alinhado com sua proposta de negócio. Um time com pessoas de qualidade e colaborando entre si é importantíssimo para o sucesso;

d. Tenha um plano de parceria bem definido com seus principais fornecedores, entre bicicletas, partes e acessórios, a fim de assegurar ter os produtos certos na hora certa.

Em relação ao futuro, o que a Caloi visiona? O que os amantes da bicicleta podem esperar da Caloi nos próximos anos?

Nosso time Caloi já trabalha todos os dias pensando e planejando para o futuro. Os ciclistas podem esperar que continuaremos buscando liderar novos conceitos e tecnologias no mundo das bicicletas, visando entregá-los a melhor experiência de pedalar possível, em todos os segmentos que atuamos e em novos que venhamos a lançar.

Para mim é uma honra e grande alegria estar há mais de dois anos à frente de uma empresa com grande história e representatividade na vida dos brasileiros e influência sobre o ciclismo nacional.

A Caloi está em sua 3a fase de gestão, após 100 anos de liderança familiar, com mais de uma década de gestão profissional, e agora em novo momento como divisão de uma multinacional (Dorel Corp), mas mantendo sua autonomia e foco no mercado e consumidores locais.

Quais desafios o nome Caloi impõe tanto ao mercado quanto à gestão após 120 anos de história?

Após 120 anos, temos que garantir que a Caloi continue se transformando e se reinventando, a fim de prosperar nos próximos anos. Fizemos um trabalho abrangente de revisão estratégica durante 2017, definindo uma nova ambição estratégica, visão, missão e escolhas de negócios para nortear os próximos 5 a 10 anos.

Estamos focados em importantes pilares, como investir em produtos e serviços baseados na tecnologia; no resgate da marca Caloi e desenvolvimento das marcas Cannondale, GT e Schwinn; em garantir que tenhamos os produtos certos na hora certa para nossos clientes e consumidores; na busca contínua de eficiência e competitividade; e em continuar sendo uma empresa vibrante que engaja pela paixão e propósito.

Como lidar com as mudanças de mercado, o aumento da excelência interna e a concorrência internacional?

Temos que garantir que continuemos a liderar o mercado de bicicletas, baseado em produtos com tecnologia, qualidade e foco nas necessidades de nossos consumidores, nossos ciclistas. Para isso, temos nossa própria estrutura de pesquisa e desenvolvimento (P&D) no Brasil, porém conectados também com nossos times globais de P&D nos EUA, Europa e Ásia, a fim de conseguirmos trazer as últimas palavras em termos de soluções de produto para atender o mercado local, seja no MTB, na mobilidade urbana ou no esporte e lazer.

Quanto a concorrência, seja local ou internacional, ela faz bem para o mercado e exige que você sempre busque se superar com melhores produtos, eficiência de custos e agilidade na resposta e atenção às necessidades de seus clientes e consumidores.

O que é prioridade na gestão da Caloi, atualmente?

Nossas prioridades estão 100% alinhadas com a nova visão, missão e pilares estratégicos que adotamos deste 2017, onde nosso foco é:

a. Contínua busca de inovação de produtos, mas também de serviços onde possamos atuar;

b. Resgate e investimento na marca Caloi, e desenvolvimento da Cannondale, GT e Schwinn;

c. Garantir os produtos certos na hora certa;

d. Busca contínua por eficiência e competividade em tudo que fazemos;

e. Continuar sendo uma empresa que engaja pela paixão e propósito.

Você tem alguém como modelo administrativo que lhe inspire?

Tive a oportunidade de morar a trabalho durante quatro anos em Cingapura, Ásia, e aprendi muito vendo o modelo de um país liderado como uma empresa altamente eficiente, que preza por ter e desenvolver os melhores talentos, com altíssimo foco na educação e tecnologias de ponta, em atração de capital e parcerias globais para continuar se desenvolvendo, e na busca na eficiência de gestão e competitividade de seu mercado e competências de trabalho.

Para onde você direciona seus esforços ao liderar a Caloi?

Direciono meus esforços em principalmente três frentes:

a. Manter nossa organização Caloi focada na nova estratégia, garantindo excelência em tudo que fazemos e executamos na vista dos clientes e consumidores, e com foco também no desenvolvimento e retenção de talentos que liderem esta nova fase da companhia no Brasil;

b. Garantir gestão efetiva de negócios e colaboração junto a Dorel Sports (divisão controladora) e Dorel Corp, a fim de atender aos acionistas e atrair capital e investimentos para o Brasil;

c. Liderar o segmento de bicicletas junto com a nossa associação Abraciclo, representando os interesses do setor, e mantendo proatividade e colaboração plena com nossas companhias associadas.

O que você pensa sobre o futuro da mobilidade urbana no Brasil? E quais são os projetos de bicicletas da Caloi para impactar o volume cada dia maior de novos usuários urbanos?

A mobilidade urbana será cada vez mais um pilar crescente na sociedade, e para o qual estamos investindo para trazer produtos com tecnologia e qualidade, sejam bicicletas convencionais, mas também elétricas, onde fomos os primeiros a investir na tecnologia de motores centrais em parceria com a Shimano, e onde planejamos continuar expandindo no Brasil. Também planejamos ser uma alternativa de produção de OEM para companhias de mobilidade urbana, aproveitando a infraestrutura e capacidade industrial que acumulamos nas últimas décadas.

A Caloi, como as grandes empresas brasileiras, enfrentou reveses nas últimas décadas. O que você diria que foi o fator determinante para o reerguimento da empresa?

O que permitiu a Caloi dar a volta por cima nas últimas duas décadas foi uma gestão profissional efetiva, fazendo escolhas de negócios (segmentos onde entrar/investir e onde não investir), além de ter mantido o foco da organização na busca de eficiências e parcerias com fornecedores locais e internacionais, que permitiram trazer novas tecnologias de produto ao Brasil.

No cenário econômico atual do Brasil, qual dica você daria para quem está pensando em abrir uma loja de bicicletas, mas está receoso?

O empreendedorismo é importante, mas deve ser feito buscando avaliar algumas premissas fundamentais antes de se abrir uma loja de bicicletas. Eu recomendaria principalmente:

a. Busque um local que seja atrativo para o fluxo de ciclistas, a fim de gerar tráfego constante na sua loja;

b. Tenha um plano de negócios que incorpore projeção de vendas, de custos, de rentabilidade projetada, incluindo a demanda por bikes durante o ano;

c. Monte um time de trabalho que esteja alinhado com sua proposta de negócio. Um time com pessoas de qualidade e colaborando entre si é importantíssimo para o sucesso;

d. Tenha um plano de parceria bem definido com seus principais fornecedores, entre bicicletas, partes e acessórios, a fim de assegurar ter os produtos certos na hora certa.

Em relação ao futuro, o que a Caloi visiona? O que os amantes da bicicleta podem esperar da Caloi nos próximos anos?

Nosso time Caloi já trabalha todos os dias pensando e planejando para o futuro. Os ciclistas podem esperar que continuaremos buscando liderar novos conceitos e tecnologias no mundo das bicicletas, visando entregá-los a melhor experiência de pedalar possível, em todos os segmentos que atuamos, e , também em novos que venhamos a lançar.